O Botox – nome comercial mais conhecido da Toxina Botulínica – é muito conhecido na Medicina Estética.

Mas o que é bem menos conhecido é sua utilização para o tratamento da dor.

A Toxina Botulínica é produto de uma bactéria chamada Clostridium Botulinum. Seu uso na Medicina baseia-se em sua potente ação como bloqueador muscular, impedindo completamente a contração dos músculos – daí seu uso em estética para tratar rugas, que são marcas deixadas na pele por contrações musculares ao longo dos anos.

Por outro lado, ela dificulta a transmissão dos estímulos sensitivos para o cérebro – inibindo a comunicação entre os neurônios – e tem ação anti-inflamatória e analgésica. Traduzindo: em decorrência disso, o paciente percebe menos dor na região afetada de forma muito mais eficaz do que com medicamentos tradicionais

As indicações compreendem:

Enxaqueca

Cefaléia em salvas

Cefaléia tensional

Neuralgia do trigêmeo

Dores de origem dentária

Dores da articulação temporomandibular

Neuralgia pós-herpética (dores severas que são sequelas do Herpes)

Dor miofascial (dores musculares difusas e severas)

Síndrome do músculo piriforme

Dor lombar

Dor cervical

Escoliose

Dores articulares

Fibromialgia

Dor pélvica crônica

Dor decorrente de doenças da próstata

Vaginismo e vulvodinia (dores que acometem cronicamente o órgão genital feminino)

Síndrome de dor neuropática

Dor do membro fantasma (dor associada à amputação de membros)

Dor associada à espasticidade e distonias (congênitas ou como sequela de AVC, traumatismo craniano, lesão medular, tumores)

Dor pós-cirúrgica: cirurgia de vesícula (colecistite), de apêndice (apendicite), cirurgias plásticas, cirurgias oncológicas, próteses de joelho e de quadril, são apenas alguns exemplos.